Roda


Roda, roda oleiro, roda nas voltas da vida,
na vida que rodopia, rodopia e vai girando.
Tal como a tua roda, oleiro, também eu rodo na vida.
Na vida que não pára, que muda, que gira e rodopia num frenesim sem limite.
E assim girando, conduzo esta roda, alegremente, sofregamente, 
 pedindo a cada volta para que a roda não pare.

Sem comentários:

Enviar um comentário